Últimos assuntos
» Flamengo x Duque de Caxias
Qua Abr 06, 2011 3:59 pm por Atilla Fred ™

» Flamengo x Madureira
Qua Mar 30, 2011 10:48 am por segroll

» Flamengo x Fortaleza
Sex Mar 18, 2011 12:19 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Fluminense
Sex Mar 18, 2011 12:14 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Bangu
Sex Mar 11, 2011 5:51 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Olaria (05/03/2011)
Sex Mar 11, 2011 5:30 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Boa Vista (Final da taça Guanabara)
Sex Mar 11, 2011 5:16 am por Atilla Fred ™

»  O ADEUS DE RONALDO FENOMENO...
Dom Mar 06, 2011 2:13 pm por CADU CORINTIANO

» URGENTE!!!! Titulo de 87 (FLAMENGO)
Ter Fev 22, 2011 9:17 am por *URUBU_MENGO*

» CORINHTIANS 3 X 1 SANTOS
Ter Fev 22, 2011 7:30 am por TIMÃO FOREVER

» Flamengo x Botafogo
Seg Fev 21, 2011 8:50 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Murici Al
Qui Fev 17, 2011 2:04 pm por Atilla Fred ™

» Flamengo x Resende
Seg Fev 14, 2011 1:29 pm por Atilla Fred ™

» CORINHAINS X ITUANO - 6 RODADA PAULISTAO 2011
Seg Fev 14, 2011 1:25 pm por Atilla Fred ™

» ROBERTO CARLOS FORA DO TIMAO !!!
Seg Fev 14, 2011 1:22 pm por Atilla Fred ™

» Clube Atletico Paranaense - Curiosidades
Qua Fev 09, 2011 7:27 am por segroll

» Clube Atlético Paranaense - Grandes Goleadas.
Qua Fev 09, 2011 7:11 am por segroll

» PALMEIRAS X CORINTHIANS
Ter Fev 08, 2011 12:41 pm por TIMÃO FOREVER

» Flamengo x Boa Vista
Ter Fev 08, 2011 6:13 am por *URUBU_MENGO*

» Corinthians x Deportes Tolima-COL
Sex Fev 04, 2011 4:38 am por TIMÃO FOREVER

PRECISAMOS DE MODERADORES

Qui Dez 16, 2010 5:05 am por TIMÃO FOREVER

Amigo, forum novo e precisamos de moderadores, caso interesse, favor deixar qual seção deseja moderar.

abraços! Very Happy

Comentários: 8

INFO E NOVIDADES

Sex Dez 17, 2010 6:46 am por TIMÃO FOREVER

Galera, como estamos ainda em fase de construção, caso não tenha uma seção de clube, país ou estado que vc queira.... é só pedir aqui:
http://futebol-br.forumeiros.com/t14-pedidos-abertura-de-secoes-e-clubes

Comentários: 1

NOTÍCIAS DO ESPORTE
Publicidade
Visitas Online
free counters

HISTÓRIA - COMO TUDO COMEÇOU...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

HISTÓRIA - COMO TUDO COMEÇOU...

Mensagem por TIMÃO FOREVER em Qui Dez 16, 2010 4:23 am

História
Como tudo começou...
Era 1º de setembro de 1910 e cinco operários - Joaquim Ambrósio, Carlos da Silva, Rafael Perrone, Antônio Pereira e Anselmo Correia - se reuniram com mais oito rapazes e fundaram o "Sport Club Corinthians Paulista" após assistirem a uma partida de uma equipe de futebol da Inglaterra. O presidente escolhido por eles foi o alfaiate Miguel Battaglia, que já no primeiro momento afirmou: "o Corinthians vai ser o time do povo e o povo é quem vai fazer o time".

Da primeira coleta à compra da primeira bola de futebol do clube pouco tempo passou. Na verdade, apenas uma semana. Um terreno alugado na Rua José Paulino foi aplainado e virou campo e foi lá que, já no dia 14 de setembro, o primeiro treino foi realizado diante de uma platéia entusiasmada que garantiu: "este veio para ficar".

De partida em partida o time foi se tornando famoso, mas era ainda um time de várzea. No ano de 1913, o Corinthians pleiteou uma vaga junto à Liga Paulista de Futebol e foi aceito, tornando-se assim o quarto dos chamados "três mosqueteiros" (os outros eram Americano, Germânia e Internacional), daí a origem do mascote corinthiano.

Grandes craques passaram pelo Corinthians em sua história quase centenária. Nomes como Neco, Luizinho, Cláudio, Baltazar, Gilmar, Rivellino, Sócrates, Biro-Biro, Ronaldo, Neto, Marcelinho Carioca, Dida, entre outros, são lembrados até hoje e tidos com muito carinho pela Fiel Torcida.

Os presidentes

1910 - Miguel Battaglia
1910/1914 - Alexandre Magnani
1915 - Ricardo de Oliveira
1915/1916 - João Baptista Maurício
1917 - João Martins de Oliveira
1918 - João de Carvalho (interino)
1918 - Albino Teixeira Pinheiro
1920/1925 - Guido Giacominelli
1925 - Aristides de Macedo Filho
1926 - Ernesto Cassano
1927 - Guido Giacominelli
1928 - Ernesto Cassano
1929 - José Tipaldi
1929/1930 - Felipe Colonna
1930/1933 - Alfredo Schurig
1933 - João Baptista Maurício
1933/1934 - José Martins Costa Jr.
1935/1941 - Manuel Correcher
1941 - Mário Henrique Almeida (interventor)
1941 - Pedro de Souza
1941/1943 - Manuel Domingos Correia
1944/1946 - Alfredo Ignácio Trindade
1947/1948 - Lourenço Fló Júnior
1948/1959 - Alfredo Ignácio Trindade
1959/1961 - Vicente Matheus
1961/1971 - Wadih Helu
1971/1972 - Miguel Martinez
1972/1981 - Vicente Matheus
1981/1985 - Waldemar Pires
1985/1987 - Roberto Pasqua
1987/1991 - Vicente Matheus
1991/1993 - Marlene Matheus
1993/2007 - Alberto Dualib
2007 - Clodomil Antonio Orsi (interino)
2007 - Andrés Sanchez


Última edição por TIMÃO FOREVER em Qui Dez 16, 2010 11:54 am, editado 2 vez(es)
avatar
TIMÃO FOREVER
ADMINISTRADOR
ADMINISTRADOR

Masculino Gémeos Gato
Data de inscrição : 15/12/2010
Localização : Parque São Jorge
Mensagens : 89
Idade : 42

Ver perfil do usuário http://futebol-br.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: HISTÓRIA - COMO TUDO COMEÇOU...

Mensagem por TIMÃO FOREVER em Qui Dez 16, 2010 10:11 am

O Sport Club Corinthians Paulista é um clube desportivo brasileiro.[2] Foi fundado como uma equipe de futebol no dia 1º de setembro de 1910 por um grupo de operários do bairro do Bom Retiro, na cidade de São Paulo.[3] O nome foi inspirado no Corinthian FC de Londres, que excursionava pelo Brasil.[4][5]

A ideia inicial era de fundar um novo time de futebol para jogar no futebol de várzea, já que o Liga Paulista era disputada apenas por equipes da elite.[6][3] Graças a uma dissidência entre os clubes aristocráticos da Liga Paulista de Foot-Ball, o Corinthians disputou uma seletiva classificatória para o torneio dessa entidade, que era o mais importante a época. Assim, em 1913 o clube jogaria pela primeira vez o Campeonato Paulista. [7] A origem humilde do Corinthians refletiu-se em alguns de seus apelidos, como clube dos operários ou time do povo. Foi o primeiro clube de São Paulo a abrir espaço para jogadores pobres. Foi também o segundo clube do futebol brasileiro - o primeiro foi o Bangu - e o primeiro do futebol paulista a aceitar atletas negros no time.[8][9][10]

Embora o clube tenha atuado em outras modalidades esportivas ao longo dos anos, como remo, basquete, natação, vôlei, tênis, taekwondo, futsal, judô, peteca e handebol, suas principais conquistas e o seu reconhecimento foram alcançados pelo futebol profissional.[11] Foi o primeiro clube a ganhar o Mundial de Clubes da FIFA[12] e o único a conquistar o título em casa, no Brasil, em 2000.[13][14][15] Possui também quatro títulos do Campeonato Brasileiro (1990, 1998, 1999 e 2005),[16] três da Copa do Brasil (1995, 2002 e 2009),[17] 26 do Campeonato Paulista[17] - sendo deste último o maior recordista de conquistas no Estado e é o único clube três vezes tricampeão do torneio[18] - e cinco do Torneio Rio-São Paulo (1950-1953-1954-1966-2002).

Em 1951, o Corinthians foi primeiro time do futebol brasileiro a ultrapassar a marca dos 100 gols em um campeonato oficial, quando fez 103 em apenas 28 jogos no Campeonato paulista daquela temporada.[19]

De 1952 a 1954, o clube fez 28 partidas internacionais sem derrota - incluindo a disputa e conquista da Pequena Copa do Mundo de 1953 na Venezuela, com duas vitórias sobre o Barcelona da Espanha)[20] - e superou o recorde anterior que pertencia ao Vasco. O Corinthians foi ainda a primeira equipe a representar oficialmente a Seleção Brasileira de Futebol, em um amistoso contra o Arsenal em 1965,[21] e é responsável pela maior goleada ocorrida até hoje em Campeonatos Brasileiros, quando fez 10 a 1 no Tiradentes-PI em 1983.[22]

O estádio oficial do Corinthians é o Estádio Alfredo Schürig, mais conhecido como "Parque São Jorge" ou "Fazendinha". Foi reinaugurado em 1928 e atualmente tem capacidade para pouco mais 15 mil pessoas.[23][24] Jogando lá, o único título que o clube conquistou foi o Paulista de 1939. Por conta da capacidade reduzida do estádio e por ser um clube popular desde sempre, o Corinthians costuma atuar com mandante no Estádio Municipal do Pacaembu.[25] Seus principais rivais no futebol são o Palmeiras, com quem disputa o Derby Paulista, com o Santos, com quem disputa o Clássico Alvinegro, e o São Paulo, com quem disputa o Majestoso.

Sua torcida é conhecida como "Fiel"[26] e seus torcedores são estimados em mais de 25 milhões espalhados por todo Brasil, o que credencia o Corinthians como o segundo time mais popular do país[27][28][29] e o primeiro na Região Sudeste e no Estado de São Paulo - onde tem mais torcedores que São Paulo e Palmeiras juntos.[30]

Ao longo de sua história centenária, o clube teve grandes ídolos como Neco (1913-1930), Amílcar (1913-1923), Teleco (1934-1944), Servilio (1938-1948), Claudio (1945-1957), Baltazar (1947-1958), Roberto Belangero (1947-1960), Idário (1949-1959), Luizinho (1949-1967), Gilmar (1951-1961), Rivelino (1965-1974), Zé Maria (1970-1983), Wladimir (de 1972-1985 e 1987), Palhinha (1977-1980), Biro-Biro (1978-1988), Sócrates (1978-1984), Casagrande (1982-1986 e 1994), Ronaldo (1988-1998), Neto (1989-1993), Marcelinho Carioca (1993-1997, 1998-2001 e 2006), Carlos Tevez (2005-2006) e Ronaldo Fenômeno (2009-2010).


Última edição por TIMÃO FOREVER em Qui Dez 16, 2010 11:40 am, editado 2 vez(es)
avatar
TIMÃO FOREVER
ADMINISTRADOR
ADMINISTRADOR

Masculino Gémeos Gato
Data de inscrição : 15/12/2010
Localização : Parque São Jorge
Mensagens : 89
Idade : 42

Ver perfil do usuário http://futebol-br.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: HISTÓRIA - COMO TUDO COMEÇOU...

Mensagem por TIMÃO FOREVER em Qui Dez 16, 2010 10:15 am

Origem humilde


O primeiro emblema utilizado pelo Corinthians em 1910.



Primeiro Time Campeão Paulista em 1914: Fúlvio, Casemiro do Amaral e Casemiro Gonzalez; Polícia, Biano e César; Aristides, Peres, Amílcar, Dias e Neco.



Em 1 de setembro de 1910, um grupo de cinco operários de uma companhia ferroviária do bairro paulistano do Bom Retiro decidiu criar um time de futebol.[2] Eram os pintores de parede Joaquim Ambrósio e Antonio Pereira; o sapateiro Rafael Perrone; o cocheiro Anselmo Correa e o trabalhador braçal Carlos Silva, além de mais oito pessoas que contribuíram com 20 mil réis e também foram consideradas sócias-fundadoras.[6] A ideia surgiu depois de assistirem à atuação do Corinthian, um time inglesa,[4][5] fundada em 1882, que excursionava pelo Brasil à convite da equipe carioca Fluminense.[31] Aqui, os ingleses foram chamados pela imprensa de "Corinthian's Team". Mas o time brasileiro só seria batizado "Sport Club Corinthians Paulista" depois de muita discussão e algumas reuniões na casa de outro integrante do grupo de amigos, o alfaiate Miguel Bataglia, que acabaria se tornando o primeiro presidente da agremiação - embora ele tenha ficado apenas duas semanas no cargo.[6][32][33]
Em sua estreia nos campos de futebol, o Corinthians perdeu para o União da Lapa, por 1 a 0. Porém, no segundo jogo oficial, em 14 de setembro de 1910, vieram o primeiro gol (marcado pelo italiano Luigi Salvatore Fabbi) e a primeira vitória (sobre o Estrela Polar, por 2 a 0).[2] O Corinthians atuou no futebol de várzea paulista até 1912. Como os campeonatos oficiais de futebol eram praticados exclusivamente por equipes aristocráticas, como o Paulistano, o Germânia e o São Paulo Athletic Club,[3] o Corinthians humildemente atuava no futebol de várzea paulistano.[6]
Em 1913, uma dissidência entre os clubes que disputavam o Campeonato Paulista abriu a oportunidade para clubes de origem popular (varzeanos) disputassem a competição organizada pela LPF. Após vencer o Minas Gerais (do bairro do Brás), e o FC São Paulo (bairro do Bixiga), o Corinthians ganhou o direito de disputar pela primeira vez o campeonato da LPF.[7] No ano seguinte, o clube sagraria-se pela primeira vez torneio,[34] feito que se repetiria em 1916.[35].
Entre os grandes de São Paulo


Time que conquistou o primeiro Tri Campeonato em 1930.



Nas décadas de 1920 e 1930, o Corinthians firmou-se como uma das equipes mais importantes de São Paulo, rivalizando com o Clube Atlético Paulistano e a Societá Sportiva Palestra Itália (futuro Palmeiras. No período, o clube arrematou nove títulos paulistas - sendo três tricampeonatos (1922-1923-1924, 1928-1929-1930 e 1937-1938-1939), um feito jamais foi alcançado por outro clube paulista. Além de Neco, que jogou no clube até 1930, Rato,[36] Del Debbio[37] Tuffy,[24] Grané,[38] Teleco,[39][40] Brandão,[41] e Servílio de Jesus[42] despontaram como grandes ídolos do clube no período.
Na década de 1940, porém, o clube conquistou apenas o Campeonato Paulista de 1941.[43] No ano seguinte, foi o primeiro campeão da "Taça Cidade de São Paulo", que envolvia os três primeiros colocados do Paulista do ano anterior.
Era de ouro na década de 1950


Após um periodo sem grandes êxitos futebolísticos, o clube renovou sua equipe para a década de 1950. O resultado foi que o Corinthians viveria um de suas épocas mais gloriosos em todos os tempos. Jovens formados nas "categorias de base" do Corinthians, como Luizinho,[44][45] Cabeção, Roberto Belangero e Idário[46], juntaram-se a jogadores como Baltazar,[47][48]Cláudio[49][50] e Gilmar,[51][52] que formaram um dos melhores times da história corintiana.[53] Essa equipe foi campeão do Campeonato Paulista (1951 e 1952), do Torneio Rio-São Paulo (1950, 1952 e 1953) e da Pequena Taça do Mundo (1953, primeiro título internacional do clube).[20] Em 1954, o Campeonato Paulista daquela temporada despertou grande interesse em todos os clubes e torcedores, porque comemorava o IV Centenário da Fundação da cidade de São Paulo. Para época, era considerado o título paulista mais importante da história.[53] Um empate contra o Palmeiras garantiu a conquita de um dos títulos mais importantes da história alvinegra, que coroou a geração vitoriosa dos anos cinquenta.[54] A década de 1950 marcou ainda internacionalmente o clube. Entre 1951 e 1959, o Corinthians disputou 64 partidas contra equipes estrangeiras, com 47 vitórias, dez empates e apenas sete derrotas. Ficou invicto por 32 jogos, de 1952 e 1954.[55]
No final da década de 1950, assumiu a presidência do clube por voto direto dos associados Vicente Matheus, um dos mais carismáticos dirigentes da história do clube. Matheus comandou o Corinthians durante oito mandatos.[56]
Do "Faz-Me-Rir" e a Era Rivellino


Os anos seguintes, no entanto, seriam bastante sofridos para os corintianos, que amargariam um longo período sem conquistas importantes. Já no Campeonato Paulista de 1961, o time fez uma campanha tão pífia que foi apelidado por torcedores rivais de "Faz-Me-Rir".[57] O clube apostou na contratação de craques que chegavam ao Parque São Jorge como "salvadores da pátria", mas que acabaram não vingando no time - como Almir Pernambuqinho em 1960[58] e Mané Garrincha em 1966.[59]
Mas aquela década também marcava o surgimento de Roberto Rivellino, "O Reizinho do parque",[60][61] um dos melhores jogadores da história corintiana, embora nunca tenha vencido um grande título para time.[62]
Em 1966, na tentativa de acabar com o jejum de títulos no Campeonato Paulista, a diretoria corintiana contratou o zagueiro Ditão e o volante Nair, que vieram da Portuguesa, além do atacante Garrincha, que chegou ao Parque São Jorge com 32 anos de idade. Na época, a verba destinada ao departamento de futebol foi recorde e o jornal "A Gazeta Esportiva" passou a tratar o time como o "Timão do Corinthians". Assim nasceu o apelido que acompanha o clube até hoje.[59] Ainda no final da década, o Corinthians venceria o Santos, após quase 11 anos sem vitórias sobre a equipe de Pelé em edições do Campeonato Paulista.[63] Paulo Borges e Flavio fizeram os gols desssa vitória corintiana tão festeja e lembrada.[64]
Decepção no Paulista-1974 e prova de amor no Maracanã-1976



Ver artigo principal: Invasão corintiana


O jejum corintiano só viria na década de 1970. Mas o fim do calvário seria sofrido. Em 1970, depois de uma conturbada negociação com a Portuguesa, o Corinthians contratou o lateral Zé Maria.[65][66] O jogador havia sido campeão mundial com o Brasil na Copa do Mundo do México, na reserva de Carlos Alberto Torres. Para sair da fila, a diretoria corintiana trouxe nos anos seguintes nomes como Vaguinho (em 1971)[67] e Geraldão,[68] além de promover jogadores da base como Wladimir.[22][69]
Além da interminável fila de grandes conquistas, o Corinthians também não conseguia chegar, com frequência, às finais de grandes torneios. Ficou de 1957 a 1974 sem decidir o Campeonato Paulista. Em 1974, havia grande esperança de se quebrar o jejum na final estadual contra o Palmeiras. Mas o rival acabou vencendo os corintianos, numa das derrotas mais doloridas da história do clube e que precipitou a saída de Rivellino para o Fluminense.[62] Corinthians e Rivellino acabariam encontrando-se na semifinal do Campeonato Brasileiro de 1976, contra o Fluminense, em 5 de dezembro, naquela que é uma das partidas das mais marcantes da história corintiana. Dezenas de milhares de torcedores alvinegros viajaram para o Rio de Janeiro para assistir o duelo no Estádio do Maracanã, que acabou dividido entre os corintianos e fluminesnes. Aquele momento acabou conhecido como "A invasão corintiana ao Maracanã".[70] A consagração daquele dia célebre para os corintianos veio como a vitória sobre o clube carioca nos pênaltis, após empate de 1 a 1 no tempo regulamentar. Na decisão do Brasileiro, o Internacional derrotou o Corinthians em Porto Alegre.
O título Paulista de 1977



Ver artigo principal: Campeonato Paulista de Futebol de 1977

Ver artigo principal: Participação do Corinthians nas finais do Campeonato Paulista de Futebol de 1977

O ano de 1977 foi muito especial na história do clube. No começo daquele ano, o presidente corintiano Vicente Matheus trouxe Palhinha, do Cruzeiro, por uma quantia recorde para a época: 7 milhões de cruzeiros.[71] O jogador tornaria-se um dos ídolos da "Fiel" naquele período.[72] Menos de um ano depois de "invadir" o Maracanã, o Corinthians viveria uma de suas noites mais inesquecíveis em 13 de outubro, com a conquista do Campeonato Paulista, que se tornou um dos títulos mais importantes da história corintiana, pois representava o fim de quase 23 anos sem ganhar competições oficiais. Na última de três partidas, contra a Ponte Preta, o marcante título veio com o gol de Basílio, no segundo tempo.[71][73]
Para 1978, a diretoria do clube contratou Sócrates, que pertencia ao Botafogo de Ribeirão Preto para se tornar um dos maiores craques que já passaram pelo Parque São Jorge.[74][75] Outro que chegava naquele ano ao clube e seria ídolo no Timão era Biro-Biro.[76][77] Em 1979, o Corinthians voltaria a vencer o Campeonato Paulista contra a mesma Ponte Preta.[78]
Da Democracia Corintiana aos "meninos de 1988"



Ver artigo principal: Democracia Corintiana

Socrátes é um dos ídolos do clube e idealizador da democracia corintiana.



No início de 1981, o presidente Vicente Matheus foi buscar pessoalmente na Arábia Saudita o meio-campo Zenon, que havia se destacado no Guarani em temporadas anteriores e assumiria a camisa 10 do Corinthians, no lugar de Palhinha.[79] Mas após não conseguir um bom desempenho no Campeonato Paulista daquele ano - que era classificatório para o Campeonato Brasileiro do ano seguinte -, o clube teve de jogar a Taça de Prata (espécie de "segunda divisão" do Campeonato Brasileiro) em 1982[80] Os resultados ruins em campo levaram a mudanças na diretoria, com a saída de Vicente Matheus, e os jogadores passaram a ter papel ativo nas decisões do clube. Tudo era resolvido pelo voto, das contratações ao local de concentração.[74] O período ficou marcado como a "Democracia corintiana".[81] As mudanças surtiram efeito. Em 1982, quando liderados pelos ídolos Sócrates, Wladimir, Casagrande,[82] Biro-Biro e Zenon, o clube conquistou o Campeonato Paulista em cima do São Paulo, que tentava o tricampeonato na competição.[74] No ano seguinte, o Corinthians repetiria a final contra o rival e uma vez mais faturaria o torneio.[83]
Em 1985, já sem o "Doutor Sócrates"[84] e com o fim da Democracia Corintiana, a nova diretoria corintiana apostou na consolidação de uma grande equipe, com as contratações de De León (que deixou o Grêmio como o jogador mais caro do futebol brasileiro até então), Serginho Chulapa, Dunga, que se somavam a reforços do ano anterior, como Carlos, Édson e Juninho (contratados da Ponte Preta), quanto aos bem-estabelecidos Wladimir, Biro-Biro, Zenon e Casagrande.[85] O grande time, porém, só ficou no "papel": no Campeonato Brasileiro, o Timão foi eliminado antes das semifinais, e no Campeonato Paulista, a equipe ficou apenas em quinto lugar.[85]
Nas duas temporadas seguintes, o clube renovou-se com um elenco com jogadores menos badalados, como o volante Wilson Mano,[86] e pratas da casa, como zagueiro Marcelo.[87] Em 1988, com novos garotos da base corintiana, como o goleiro Ronaldo,[88] o volante Márcio Bittencourt e o atacante Viola, o Corinthians voltaria a conquistar do Campeonato Paulista.[89]
Conquistas de peso nas décadas de 1990 e 2000



Ver artigo principal: Campeonato Mundial de Clubes da FIFA 2000

Nos durante as décadas de 1990 e 2000, o clube conquistou a maior sequência de título da sua história. Nos anos 1990, foram três títulos do Campeonato Brasileiro (1990, 1998 e 1999), 3 Campeonatos Paulistas (1995, 1997 e 1999), 1 Copa do Brasil (1995) e 1 Supercopa do Brasil (1991).
Após a virada do milênio, veio a maior conquista do clube: o Mundial de Clubes, em 2000, o primeiro organizado pela FIFA[83]. O final contra o Vasco da Gama foi no Maracanã e o Corinthians venceu nos pênaltis após Edmundo perder a cobrança.[90][91]. Completando as conquistas do novo século, vieram 3 Campeonatos Paulistas (2001, 2003 e 2009), 1 Torneio Rio-São Paulo (2002), 1 Campeonato Brasileiro (2005) e 2 Copas do Brasil (2002 e 2009).
Essa época também conhecida como a época das parcerias,[92] onde o clube teve parceiros para a contratação de jogadores. Foram essas do Banco Excel (1995), da Hicks, Muse, Tate & Furst - HTMF (1999) e da Media Sport Investiment - MSI (2005), a última comandada pelo russo Boris Berezovsky,[93] magnata russo exilado em Londres, e tinha como representante no Brasil, o empresário iraniano Kia Joorabchian.[94] Ambos, ao lado de Alberto Dualib (presidante do clube), Nesi Curi (vice-presidente) e Renato Duprat Filho (diretor de futebol e "braço direito" de Dualib) eram acusados de lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.[95].
Time campeão brasileiro de 2005 na época da parceria com a MSI.



Porém nos anos 2000 que aconteceu a pior fase da história do clube, que foi a queda para a série B, durante Campeonato Brasileiro de 2007. A queda acompanhou a saída da Media Sports Investiment (MSI), no inicio de 2007 e de seus jogadores contratados, como Tevez, Mascherano, Roger e Gustavo Nery entre outros, que eram chamados de "galácticos" (em comparação aos jogadores do Real Madrid como Beckham, Zidani, Ronaldo e Roberto Carlos, que tinham o mesmo apelido em alusão aos milhões gastos para suas contratações). Com o time na série B, o clube se reestruturou dentro e fora dos gramados, com a saída do então presidente Alberto Dualib,[96] responsável pela chegada das parcerias. Para o seu lugar assumiu Andrés Sanchez, ao lado de Mario Gobbi (vice-presidente de futebol), Luis Paulo Rosenberg (diretor de marketing) e Antônio Carlos (diretor de futebol e havia acabado de se aposentar como jogador), criando inúmeros projetos de marketing e montando uma boa equipe, que voltou para a série A e também foi campeã do torneio. Em 2009, o clube acertou a contratação de Ronaldo, pentacampeão com a Seleção Brasileira e eleito três vezes o melhor jogador de futebol do mundo, em uma parceria que envolvia também contratos de marketing. Em 2010, ano de seu centenário, o clube ampliou as iniciativas de marketing, como o acerto com o ídolo e ex-jogador Marcelinho Carioca para ser o embaixador do clube no ano do centenário, e trouxe alguns reforços, sendo o principal o também pentacampeão Roberto Carlos para a lateral esquerda.
Cores e Símbolos


Uniforme



Ver artigo principal: Evolução dos uniformes Sport Club Corinthians Paulista

O primeiro uniforme utilizado pelo Corinthians em 1910.



Oficialmente, a primeira camisa do Corinthians tinha a cor bege, em homenagem ao Corinthian. A camisa de 1910 tinha detalhes em preto nas mangas, barra e gola. Os calções eram brancos e feitos com sacos de farinha.[97] E após algumas lavagens, percebeu-se que o tecido bege perdia parte da cor, então se optou por adotar definitivamente o branco na camisa. Mas para o jornalista Celso Unzelte, pesquisador da história corintiana, seria muito improvável que o clube, na época pobre e pequeno, tivesse recursos financeiros para comprar uniformes que não fossem brancos. "No início, eram feitos com tecido reaproveitado de sacos de farinha." Alpem disso, na fotografia mais antiga do time, do Campeonato Paulista de 1913, os jogadores vestiam camisas e calções brancos.[98]
De qualquer forma, sabe-se que a partir de 1920 o Corinthians passou a jogar com camisa branca e calção preto, quando a diretoria conseguiu dinheiro para comprá-los. Desde então, tornaram-se o uniforme oficial.[97][99] A partir disso, surgiram as primeiras mudanças na camisa, como uma versão preta com listras brancas. O clube chegou a usar também uma toda preta e outra com uma faixa branca com o nome do clube, especialmente usada em clássicos contra São Paulo e Santos.[97]
No dia 22 de dezembro de 1946, pela primeira vez o atletlas do clube entraram em campo com camisas numeradas. Isso aconteceu no amistoso contra o River Plate de Di Stéfano, no Estádio do Pacaembu.[100] O atacante Baltazar foi o primeiro atleta a vestir a camisa 10 corintiana. Servílio ficou com a 9, enquanto Cláudio usou a 7. A partir do Campeonato Paulista de 1948, a Federação Paulista de Futebol obrigou todos os clubes participantes a usar números nas costas dos uniformes.[100]
Em 1949, o clube usou uma camisa grená em um amistoso contra a Portuguesa de Desportos, como uma forma de prestar homenagem ao elenco do Torino (Itália), que foi vitimado em um acidente de avião contra a Basílica de Superga, em Turim.[101][97] Vinte anos depois, a equipe teve de atuar Teve que vestir uma camisa improvisada, listrada de amarelo e preto, com gola vermelha e sem numeração, para poder enfrentar o Universitário, em Lima, já que o clube peruano também se vestia de branco.[97]
Ronaldo, com o uniforme 10/11. O uniforme com listras bege é comemorativo do centenário.



Antes, em 1965, o Timão vestiria a camisa azul da antiga CBD para representar a Seleção Brasileira em um amistoso contra o Arsenal (Inglaterra), em Londres.
A partir de 1995, o clube passou a investir em modelos alternativos como uniforme número três. Naquele ano, o estilista francês Ted Lapidus desenvolveu um uniforme para jogos internacionais: uma camisa era preta com muitos detalhes em branco. Quatro anos mais tarde, outro terceiro uniforme, agora na cor preta com detalhes em cinza e amarelo. Foi utilizado somente na derrota para o Independiente (Argentina), no Pacaembu, pela Copa Mercosul. No ano seguinte, o Corinthians jogou e venceu o Mundial de Clubes da FIFA com uma camisa diferente, que tinha laterais em preto. Apesar do sucesso no campo, acabou aposentada logo após o torneio.[97]
Em 2006, as listras brancas da segunda camisa foram trocadas por douradas para a Copa Libertadores. Dois anos depois, o departamento de marketing do clube decidiu criar um novo modelo, na cor roxa, em alusão ao fanatismo do torcedor corintiano. A camisa não foi muito utilizada em partidas oficiais, por causa de pressões das torcidas uniformizadas do clube, mas agradou aos demais torcedores e se tornou um sucesso de vendas. Desde então, o roxo apareceu em mais duas edições.[97]
No final de Agosto de 2010, o Corinthians lança no Parque São Jorge a camisa em comemoração ao centenário do clube, que será usada como uniforme titular nas partidas em casa até o final do Campeonato Brasileiro. A camisa remete ao primeiro uniforme utilizado pelo Corinthians em 1910, com a cor bege e no escudo as lestras "CP", fazendo referencia ao primeiro escudo utilizado pelo clube.[102]
avatar
TIMÃO FOREVER
ADMINISTRADOR
ADMINISTRADOR

Masculino Gémeos Gato
Data de inscrição : 15/12/2010
Localização : Parque São Jorge
Mensagens : 89
Idade : 42

Ver perfil do usuário http://futebol-br.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: HISTÓRIA - COMO TUDO COMEÇOU...

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum