Últimos assuntos
» Flamengo x Duque de Caxias
Qua Abr 06, 2011 3:59 pm por Atilla Fred ™

» Flamengo x Madureira
Qua Mar 30, 2011 10:48 am por segroll

» Flamengo x Fortaleza
Sex Mar 18, 2011 12:19 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Fluminense
Sex Mar 18, 2011 12:14 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Bangu
Sex Mar 11, 2011 5:51 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Olaria (05/03/2011)
Sex Mar 11, 2011 5:30 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Boa Vista (Final da taça Guanabara)
Sex Mar 11, 2011 5:16 am por Atilla Fred ™

»  O ADEUS DE RONALDO FENOMENO...
Dom Mar 06, 2011 2:13 pm por CADU CORINTIANO

» URGENTE!!!! Titulo de 87 (FLAMENGO)
Ter Fev 22, 2011 9:17 am por *URUBU_MENGO*

» CORINHTIANS 3 X 1 SANTOS
Ter Fev 22, 2011 7:30 am por TIMÃO FOREVER

» Flamengo x Botafogo
Seg Fev 21, 2011 8:50 am por Atilla Fred ™

» Flamengo x Murici Al
Qui Fev 17, 2011 2:04 pm por Atilla Fred ™

» Flamengo x Resende
Seg Fev 14, 2011 1:29 pm por Atilla Fred ™

» CORINHAINS X ITUANO - 6 RODADA PAULISTAO 2011
Seg Fev 14, 2011 1:25 pm por Atilla Fred ™

» ROBERTO CARLOS FORA DO TIMAO !!!
Seg Fev 14, 2011 1:22 pm por Atilla Fred ™

» Clube Atletico Paranaense - Curiosidades
Qua Fev 09, 2011 7:27 am por segroll

» Clube Atlético Paranaense - Grandes Goleadas.
Qua Fev 09, 2011 7:11 am por segroll

» PALMEIRAS X CORINTHIANS
Ter Fev 08, 2011 12:41 pm por TIMÃO FOREVER

» Flamengo x Boa Vista
Ter Fev 08, 2011 6:13 am por *URUBU_MENGO*

» Corinthians x Deportes Tolima-COL
Sex Fev 04, 2011 4:38 am por TIMÃO FOREVER

PRECISAMOS DE MODERADORES

Qui Dez 16, 2010 5:05 am por TIMÃO FOREVER

Amigo, forum novo e precisamos de moderadores, caso interesse, favor deixar qual seção deseja moderar.

abraços! Very Happy

Comentários: 8

INFO E NOVIDADES

Sex Dez 17, 2010 6:46 am por TIMÃO FOREVER

Galera, como estamos ainda em fase de construção, caso não tenha uma seção de clube, país ou estado que vc queira.... é só pedir aqui:
http://futebol-br.forumeiros.com/t14-pedidos-abertura-de-secoes-e-clubes

Comentários: 1

NOTÍCIAS DO ESPORTE
Publicidade
Visitas Online
free counters

Clube Atletico Paranaense - História.

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Clube Atletico Paranaense - História.

Mensagem por segroll em Qui Dez 16, 2010 4:12 am

HISTÓRIA


O surgimento do futebol em Curitiba deu-se no ano de 1908, oriundo de um convite feito pelo Club de Futebol Tiro Ponta-grossense para um amistoso em Ponta Grossa - berço do futebol no Paraná.

Formou--se então um time de alemães, que foi à cidade vizinha e perdeu o amistoso por 1x0, dando origem posteriormente ao Coritibano Foot Ball Club, hoje Coritiba.

Em fins de 1910, foi fundado o Paraná Sport Club e em maio de 1912, finalmente, e ainda bem, o Internacional Foot Ball Club, sob a liderança de Joaquim Américo Guimarães.

Já com o Paraná em atividade, fundado pelos funcionários da American Brazilian Engineering Co., de Ponta Grossa, recém estabelecida em Curitiba, para fazer frente a essas agremiações "estrangeiras" que pareciam desejar o monopólio do esporte no Estado, jovens da "alta" e "tradicional" sociedade curitibana organizaram-se para também fundar uma agremiação esportiva. Afinal de contas, o futebol era moda, e começava a tomar conta do gosto popular. Assim, em 22 de maio de 1912, Joaquim Américo Guimarães preside reunião de vinte pessoas, os primeiros sócios e fundadores do INTERNACIONAL FOOT BALL CLUB.

Durante o ano de 1914, Joaquim Américo Guimarães iniciou e concluiu o estádio do Internacional, no local então conhecido como "baixada" do arrabalde do Água Verde. Era longe do centro e por aquelas redondezas de importante mesmo, era apenas o depósito de pólvora, ali mesmo na Rua Buenos Aires, local escolhido inclusive por medida de segurança. Pouco havia em derredor.

Embora até com frequência acontecessem visitas do Rio Branco de Paranaguá e do Operário e Guarani de Ponta Grossa, naquela baixada do Água Verde regularmente eram realizados torneios internos entre times secundários, reservas e simpatizantes do Internacional, dono do campo. Isso estimulava a integração social. Os associados formavam equipes, aumentando o número de participantes. Naturalmente inferiorizadas, por mais que possuissem valores de respeito, não deixavam de ser sacos de pancada. E o Internacional, possuía também o seu segundo time, que se dava ao luxo de queixar-se por merecer atenção diferenciada. Esboçou-se então, em 1913, a criação de uma nova equipe, justamente quando esse grupo passou uma lista de adesões a fim de comprar novas camisas. Um belo dia em 1914, 24 de maio, dando o grito de independência, surgiu oficialmente o AMÉRICA FOOT BALL CLUB, separando-se do já consagrado Internacional.

O Internacional e o América foram campeões, respectivamente em 1915 e 1917. O Coritiba em 1916. Depois disso só deu Britânia, hexacampeão (1918,19,20,21,22,23). Hegemonia incontestável. Porém, socialmente uma equipe frágil, que não possuia nem tradição, nem popularidade e sequer dispunha do apoio de uma colônia.

Numa época de implantação como aquela, o fato era fundamentalmente negativo. A hegemonia de um grupo pequeno e isolado fatalmente abalaria o estímulo, o entusiasmo. O América, popularíssimo; o Internacional idem, afora a cobertura que detinha dos tradicionais troncos provincianos; o Coritiba, toda uma colônia. O problema era sério. Não bastassem os brios altamente feridos!

Além de tudo, alguns problemas paralelos: o América não havia pago a dívida contraída perante a liga regional, resultando no fato de o Campeão da segunda divisão, o Universal, solicitar inscrição na vaga naturalmente aberta pela punição de cancelamento incidente sobre o América. Um jogador Americano, mais do que depressa paga a dívida junto à liga, o que a obriga a uma salomônica decisão: determinar jogo extra entre América e Universal, como critério para ocupar a tal vaga para o campeonato de 1923.

O jogo transcorria normalmente e, quando estava 3x3, foi marcado um penalti contra o América. Uníssono ao primeiro grito de Marrecão, capitão da equipe e expulso imediatamente, o América retira-se do gramado e perde a vaga por desistência. Três dias depois, como saída encontrada e já dando largas a comentários e desejos recônditos, próceres do América e do Internacional reuniram-se para tratar da fusão entre as duas agremiações. Mas discordaram quanto às cores da camisa. E nisso, passou-se um ano.

Em março de 1924, porém, os dirigentes se entenderiam : o desportista Luiz Guimarães - Zalacain - , ex-"goal-keeper" do América, empresário, jornalista e editor esportivo, ligado por laços de parentesco aos Gonçalves, família a que pertencia Marrecão, além de dar-se muito bem com a elite tradicional do Internacional, teve ação decisiva relativamente às providências e no dia 26 de março de 1924 foi empossada a diretoria do novo clube.

Surgia, assim, o CLUBE ATLÉTICO PARANAENSE.
avatar
segroll
MODERADOR
MODERADOR

Masculino Virgem Gato
Data de inscrição : 16/12/2010
Localização : Curitiba-PR
Mensagens : 23
Idade : 102

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Clube Atletico Paranaense - História.

Mensagem por segroll em Sab Dez 18, 2010 2:30 am

HISTÓRIA - Parte II


Fundação

No ano de 1912, em 22 de maio, Joaquim Américo Guimarães, neto do Visconde de Nacar, um grande desportista, reuniu um grupo de amigos e resolveu fundar um clube de futebol. Deram o nome de International Foot-Ball Club, o que teria as cores preta e branca no seu uniforme. Dentre os fundadores destacavam-se Agostinho Ermelino de Leão Junior, Hugo Mader, Nestor Arouca, Ernest Siegel e Ernesto Dobler, membros da primeira diretoria eleita. Para capitão da equipe foi aclamado Edgard Torres e para 2º capitão Luiz de Paiva.
Logo a agremiação conseguiu muitos associados. Aos domingos, num terreno alugado (pertencia à família Hauer), na baixada da Água Verde, os jovens faziam torneios, reunindo até 9 equipes. Assim o futebol cresceu dentro do International. Uma dessas equipes, em 24 de maio de 1914, resolveu também se tornar independente. Tendo como presidente o Cap. Augusto do Rego Barros, surgia o América Futebol Clube, utilizando as cores vermelha e branca no uniforme. Em 21 de março de 1924, os diretores do International e do América reuniram-se para discutir uma fusão dos dois clubes, assunto que vinha sendo comentado há mais de um ano. Depois de muita conversa, resolveram se unir e, assim, surgiu o Clube Atlético Paranaense.

O primeiro jogo

A primeira partida de futebol (amistosa) que a nova agremiação realizou foi no dia 6 de abril de 1924, contra o Universal FC. e obteve vitória por 4x2. O Atlético jogou com Tapyr, Marrecão e Ferrário; Franico, Lourival e Malello; Smythe, Ari, Marreco, Maneco e Motta. Os gols foram marcados por Marreco, Ari (2) e Malello. O árbitro foi José Falcine, atleta do Savoia, que mais tarde jogou no rubro-negro.

Década de 1920

Com a união de forças, o Clube Atlético Paranaense ficou uma equipe reforçada e pôde fazer frente aos mais temíveis esquadrões existentes como o Britânia, o Savoia, o Palestra Itália e o Coritiba. Realizando uma campanha brilhante, o Atlético conquistava seu primeiro título de campeão paranaense, em 1925. Após ser vice-campeão por 3 anos seguidos (1926, 1927 e 1928), o Atlético Paranaense voltou a vestir a faixa de campeão em 1929.

Década de 1930

O Atlético era a melhor equipe do futebol paranaense no início dos anos 1930. Mantendo os mesmos jogadores que haviam se sagrado campeões em 1929, os reforços de Chumbinho e Érico, o Atlético tornou-se uma equipe que se impôs aos adversários. Em 1930, ganhou o título com uma vitória sobre o Coritiba por 3x2. Outro feito notável nesse ano, aconteceu no dia 21 de julho, quando em partida amistosa venceu o poderoso Corinthians por 1x0, gol de Marreco, uma grande conquista para o Atlético.
Em 1934, o Atlético Paranaense já era proprietário, em definitivo, do terreno da Baixada da Água Verde, e o estádio passou a ser denominado de Joaquim Américo Guimarães, sugestão de Alcídio Abreu, para homenagear o grande desportista que havia morrido em 1917. Nesse ano, após tropeçar em 1931, 1932 e 1933, o rubro-negro voltou a ter uma equipe competitiva e fez bonito. Sagrou-se campeão paranaense de 1934. Na equipe campeã desse ano figurava como goleiro, o jovem Alfredo Gottardi, o "Caju", que viria a ser o maior ídolo de todos os tempos da torcida atleticana. Em 1936, com apenas 12 anos de existência, o Atlético Paranaense conquistava seu quinto título paranaense, e dessa vez, de forma invicta.

Década de 1940 - Surgia o Furacão

O campeonato de 1940 foi muito disputado. Atlético e o Ferroviário lideraram o certame. O tricolor ferroviário conquistou o 1º turno, enquanto o Atlético Paranaense laureou-se no segundo. Era preciso uma decisão em "melhor de três pontos" para se conhecer o campeão. Em virtude de uma confusão acontecida no último jogo do returno, estava empatado o clássico em 2x2, quando o Ferroviário fez um gol, prontamente anulado pelo árbitro em razão de um impedimento. O antigo Britânia não se conformou e abandonou o campo aos 35 minutos do 2º tempo. O Tribunal de Justiça da Federação Paranaense de Futebol, julgando o caso, deu vitória ao Atlético - 3-2 - pois o Ferroviário se negara a continuar jogando. Este motivo anulou a "melhor de três". O clube ficou 180 dias suspenso e o Atlético Paranaense foi considerado campeão paranaense de 1940. Em 1943, o Atlético Paranaense trouxe para o elenco o técnico e dois jogadores da Seleção Paraguaia de Futebol. Com a equipe reforçada e com mais qualidade, o rubro-negro voltou a mandar no campeonato. Dois turnos bem disputados. Coritiba campeão do primeiro turno e Atlético do segundo. Novamente, uma "melhor de três pontos" teria que acontecer, o Atlético Paranaense venceu os dois Atletibas por 3-2 e a torcida festejou o título de campeão. A rivalidade entre o Atlético Paranaense e Coritiba andava em alta. Por duas vezes nos anos 1940 haviam decidido o título. Uma vitória para cada lado. Em 1945, o campeonato seria decidido no maior clássico do futebol paranaense. O Atlético Paranaense foi campeão do 1º turno de forma invicta. O Coritiba foi o campeão do 2º turno. Seria realizada uma "melhor de três" para decidir o título. Foram partidas para entrarem na história do futebol paranaense. O Coritiba venceu a primeira por 2x1, no Belfort Duarte, atual Couto Pereira. A segunda foi vencida pelo Atlético Paranaense, na Baixada, por 5-4. A terceira partida foi marcada para o Estádio Belfort Duarte. Foi um jogo muito disputado. Terminou empatado no tempo normal - 1-1. O jogo foi para a prorrogação. Aos sete minutos o atacante Xavier, do Atlético Paranaense, fez o gol da vitória. Coritiba 1-2 Atlético Paranaense. A torcida fez uma das maiores festas, com carreatas, fogos de artifício e cânticos até o raiar do sol.
Em 1949, o Atlético Paranaense foi um "Furacão" que passou pelos campos do Paraná. Com a manchete de primeira página no extinto jornal Desportos Ilustrados do dia 20 de maio de 1949 anunciando a goleada do Atlético em cima do Britânia S.C. (no domingo, dia 19 de maio) em letras garrafais:O “Furacão” Levou o “Tigre” de Roldão, nasceu o apelido do rubro-negro paranaense. Não só o time de "49", como os demais times formados pelo clube, receberam o carinhoso apelido de Furacão e assim sendo, o termo furacão foi inserido no hino atleticano, não só para idolatrar o esquadrão de 1949, que arrasou todos os adversários com placares acima de quatro gols, mas também para representar a força que o clube tem junto a sua torcida e o receio e o respeito que seus adversários devem ter nos confrontos dentro das quatro linhas. O Desportos Ilustrados, naquela edição de segunda-feira, 20 de maio de 1949 e sua manchete, não imaginava o momento histórico que estampava em sua primeira página. A partir daquele dia as manchetes de todos os jornais paranaenses só falavam do "Furacão" rubro-negro que liquidava as equipes adversárias sempre com goleadas. Em 1949 foram onze goleadas seguidas (recorde quebrado apenas 59 anos depois), tornando-se campeão paranaense daquele ano.

Era dos jejuns (1950-1981)

Depois de conquistar facilmente o campeonato paranaense de 1949, o Atlético-PR despencou terrivelmente, no início do ano 1950, que acabou apenas em 1982, período em que o torcedor atleticano quer esquecer. No total, O Atlético só conquistou 2 títulos nesse período: Paranaense de 1958 e de 1970. Mas o pior estava por vir, em 1967 a situação financeira do clube despencou, e com uma campanha de somente três vitórias, onze empates e quatorze derrotas, o Atlético-PR foi rebaixado para a segunda divisão do paranaense de 1967. Quando surge Jofre Cabral e Silva que conseguiu tirar o time da segunda divisão e deu ânimo para os jogadores rubro-negros, trazendo os campeões mundiais de 1962 Djalma Santos e Bellini. Desta maneira os Rubro negros voltaram com tudo no paranaense de 1968. Mas ele acabou morrendo devido a um infarto, durante uma partida do clube, declarando momentos antes "Não deixem - nunca - morrer o meu Atlético!". Com a moral baixa, o Atlético-PR não conseguiu vencer o paranaense daquele ano. Em 1970 o Atlético-PR conquistou o título de campeonato paranaense, goleando o Seleto por 4-1 jogando fora de casa. Depois, o Atlético-PR voltou a "pifar" novamente, sem conquistar um título até 1982, com os jogadores Washington e Assis, até hoje ídolos da torcida atleticana. Assim, o rubro-negro paranaense nunca mais passou por outro desses jejuns.

Era da revolução (1995-tempos atuais)

Em 1995, depois de perder de 5-1 para seu rival, Coritiba, assumiu uma nova diretoria, onde lançaram o "Atlético Total" um novo projeto estratégico do clube e que começou bem, com a volta do Atlético à Série A do Brasileirão de 96, ficando na oitava posição.
Em 1997, o antigo estádio Joaquim Américo foi derrubado para a construção do novo estádio. Em 2004 foi firmada uma parceria com a empresa fabricante de aparelhos celulares japonesa Kyocera, renomeando o estádio para Kyocera Arena. Em 2005, após 10 anos de contenda judicial, o Atlético-PR firmou acordo assumindo definitivamente o direito de uso do terreno vizinho.
Em 2001, o Atlético Paranaense vence seu primeiro Campeonato Brasileiro (final contra o São Caetano, onde ganhou por 4-2 e 1-0) e em 2004 foi vice, com o artilheiro Washington marcando um recorde histórico de trinta e quatro gols numa única edição do Campeonato Brasileiro. Em 2001, o grande nome dos jogos foi o artilheiro Alex Mineiro. Recentemente, um episódio inusitado entrou para a história do futebol nacional. Classificado, à final da Libertadores de 2005, o clube não pôde fazer o 1º jogo da decisão em seu estádio, que mesmo sendo considerado como o mais moderno da América Latina, não possui a capacidade mínima de 40 mil lugares exigida pelo regulamento, problema este que será suprido após a finalização da Arena da Baixada. Mesmo assim, a diretoria do Clube Atlético Paranaense investiu em regime de urgência um milhão de reais na construção de arquibancadas móveis para dar capacidade ao estádio para mais de 42 mil pessoas. Estas mesmas arquibancadas já haviam sido utilizadas no mesmo campeonato na fase anterior, em jogos realizados na América do Sul, sob o aval da CONMEBOL. Mesmo com a autorização oficial de uso das arquibancadas após vistoria do Corpo de Bombeiros e o órgão oficial de engenharia responsável pela vistoria entregues à CONMEBOL em tempo pelo Clube, a CONMEBOL transferiu o jogo à revelia para uma cidade distante de Curitiba, ao invés de indicar estádios no interior do Paraná, como Londrina ou Cascavel, que tinham estádios com esta capacidade como, por exemplo, o Estádio Olímpico de Cascavel. Assim, o Atlético-PR precisou mandar a partida no Estádio Beira-Rio, pertencente ao Internacional, onde empatou por 1x1. Na segunda partida, no Estádio do Morumbi, o Atlético-PR lutou mas sucumbiu no minutos finais e acabou levando quatro gols no final do jogo pelo time do São Paulo, diante de mais de 70 mil torcedores, perdendo o título da Copa Libertadores da América.
O Atlético-PR participou de três Taças Libertadores da América, em 2000, 2002 e 2005, quando foi vice-campeão na controvertida final. Na Copa Sul-americana de 2006, o Atlético-PR também fez uma boa campanha, passando pelo Paraná Clube, River Plate e Nacional do Uruguai, chegando à semifinal do torneio, onde foi eliminado pelo Pachuca. Em 2008, o Atlético-PR quebrou o recorde de vitórias seguidas do "Furacão de 49", ganhou 12 partidas seguidas, porém perdeu a final para o rival Coritiba. Em 2009, o Atlético-PR conquistou o Campeonato Paranaense, no ano do Centenário do seu maior rival, o Coritiba.

Hino

Em 1968, a melodia do hino oficial do Atlético-PR foi gravada pela Banda do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro e regida pelo Capitão Benvenuto. O hino começou a ser criado no calor da conquista do bicampeonato paranaense invicto em 29/30, mas só foi oficializado em 68. Após a oficialização, foi eleito o Hino Mais Bonito do Brasil pela Rádio Record de São Paulo.

_________________
avatar
segroll
MODERADOR
MODERADOR

Masculino Virgem Gato
Data de inscrição : 16/12/2010
Localização : Curitiba-PR
Mensagens : 23
Idade : 102

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum